Cristianismo e Liberdade.

Comentário a este texto: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=834


A Bíblia é permeada de mensagens de liberdade, como os abaixo:

Gál 5:1 Para a liberdade Cristo nos libertou; permanecei, pois, firmes e não vos dobreis novamente a um jugo de escravidão. 

2Co 3:17 Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade. 

Joã 8:32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. 

Ats 5:27 E tendo-os trazido, os apresentaram ao sinédrio. E o sumo sacerdote os interrogou, dizendo: 
Ats 5:28 Não vos admoestamos expressamente que não ensinásseis nesse nome? e eis que enchestes Jerusalém dessa vossa doutrina e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem. 
Ats 5:29 Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Importa antes obedecer a Deus que aos homens. 

Tgo 2:12 Falai de tal maneira e de tal maneira procedei, como havendo de ser julgados pela lei da liberdade. 

Gál 5:13 Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Mas não useis da liberdade para dar ocasião à carne, antes pelo amor servi-vos uns aos outros. 

Luc 4:18 O Espírito do Senhor está sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, 

Isa 61:1 O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; 

Lev 25:39 Também, se teu irmão empobrecer ao teu lado e vender-se a ti, não o farás servir como escravo. 

Deu 24:17 Não perverterás o direito do estrangeiro nem do órfão; nem tomarás em penhor o vestido da viúva. 

Deu 24:18 Lembrar-te-ás de que foste escravo no Egito, e de que o Senhor teu Deus te resgatou dali; por isso eu te dou este mandamento para o cumprires. 

A Bíblia também refuta o Estado como instância máxima do poder:

Mar 12:17 Disse-lhes Jesus: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E admiravam-se dele. 

Slm 62:11 Uma vez falou Deus, duas vezes tenho ouvido isto: que o poder pertence a Deus. 

Os judeus foram escravizados pelos totalitários Estados egípcio, babilônico,medo-persa e romano; os cristãos foram perseguidos pelos romanos e pelo Sinédrio. Cristo e muitos de seus discípulos foram mortos pelas mãos de oficiais romanos.

A quase totalidade das religiões sofreu ou sofre algum tipo de perseguição ou interdição por parte do Estado. Sabem muito bem o valor da liberdade e o peso da mão totalitária do Estado.

O quê seu filho têm aprendido na escola ?

O quê seu filho têm aprendido na escola ?

"Lugar de criança é na escola." Essa frase é muito conhecida. Professores, pedagogos, especialistas, intelectuais, políticos (principalmente em tempos eleitorais), pais e mesmo as crianças conhecem e repetem esse quase mantra da nossa sociedade. "Lugar de criança é na escola", em tempo integral, de preferência. Mesmo a Igreja parece aderir a esse lema sem concessões.   
Entretanto, você já parou para pensar naquilo que seus filhos têm aprendido na escola?
Eles tem aprendido a valorizar a razão humana em detrimento da fé e a submeter suas mentes, atitudes e ações à avaliação da razão, e não da fé; eles aprendem que o conhecimento científico, conforme avança, vai tornando a religião obsoleta, mera crendice; eles tem aprendido a lição do marxismo de que " a religião é o ópio do povo", de que Deus e a Igreja são apenas meio dos poderosos oprimirem os pobres e mantê-los na ignorância; eles tem aprendido que Deus, a Igreja e a religião em geral são desculpas para fanáticos cometerem atrocidades; eles tem aprendido que não existem valores morais absolutos, que bem e mal, certo e errado são relativos, dependem do "ponto de vista", da concepção de mundo de cada um; eles tem aprendido que se deve respeitar e aceitar, sem qualquer recriminação, todo forma de manifestação cultural dos povos, não importando se eles comem carne humana, casam-se com duas ou mais mulheres, reduzem estas à escravidão ou classificam as pessoas por castas; eles aprendem que somos símios evoluídos, que somos "descendentes" dos macacos, frutos de uma evolução despropositada e que toda vida sobre a Terra é fruto desta evolução e que, consequentemente, a vida de cachorrinhos, gatos e mesmo das árvores tem o mesmo valor da vida humana; eles tem aprendido a comemorar carnaval, festas juninas e halloween como meras manifestações culturais; eles tem aprendido a iniciar a vida sexual na adolescência, quando não, na infância mesmo, que a virgindade é apenas um tabu religioso e que masturbação é um modo de conhecimento do próprio corpo; eles tem aprendido que homossexualismo e bissexualismo são comportamentos naturais, que as pessoas devem ser livres para escolher sua orientação sexual, quando não ensinam que já nascemos heteros, homo ou bissexuais, e que o único cuidado quanto ao assunto é "usar camisinha"; eles tem aprendido a submeter suas consciências à vontade das maiorias em todas as áreas da vida; eles tem aprendido que o paraíso pode ser implantado na terra pela ação política e que essa pode melhorar os homens.
Os exemplos acima são apenas uma pequena amostra do que nossos filhos tem aprendido na escola. Tudo isso vai claramente contra os valores da Palavra. Não é à toa que nossas crianças estão tão desinteressadas por Deus e pela Igreja, não é à toa que muitos abandonam a Igreja na adolescência. Não é à toa, não se enganem.
É óbvio que nossa filhos tem de aprender a ler, escrever, fazer contas entre outras coisas. Mas, não se enganem: o mundo jaz no Maligno e suas escolas ensinam a se afastar de Deus. Não se ganem e ensinem seus filhos no caminho em que devem andar.

Dica para paulistas: 12ª Festa do Livro da USP terá participação inédita da Cia das Letras

12ª Festa do Livro da USP terá participação inédita da Cia das Letras

Publicado em 19.11.2010 
Nos dias 24, 25 e 26 de novembro, das 9 às 21 horas, a Edusp apresenta mais uma edição da já tradicional Festa do Livro da USP. Neste ano, a novidade é a participação da Editora Cia das Letras, que leva para o evento cerca de 150 títulos de professores da universidade.
Estarão presentes quase 120 editoras que, segundo o regulamento de participação, devem vender seus livros com desconto mínimo de 50%. O professor Plínio Martins Filho, presidente da Edusp, explica que este é o preço que o consumidor pagaria se comprasse diretamente das editoras, sem os gastos intermediários de livraria e distribuição. Em 2009, as 112 editoras participantes venderam juntas cerca de 150 mil livros.
A feira ocorre no vão do prédio da História, na FFLCH, que fica na Rua do Lago, 717, Cidade Universitária. A entrada é franca.
Mais informações: (11) 3091-1617

Editoras presentes na 12ª Festa do Livro da USP

Fonte: Edusp



(des)Aforismos...

O caminho é estreito, mas é plano, iluminado, o Senhor nos guia por ele e seus anjos nos sustém pelas mãos.


Não se pode seguir Jesus pelo twitter.


Todas as religiões são a mesma - se o cristianismo não for uma religião. E não é. 


O ponto de vista dos cegos sequer é um ponto de vista


As coisas apodrecem onde não há conservadores


Ou se tem prazer em Deus ou se é sadomasoquista.


Ponham Damien Hirst no formol e o vendam por milhões!


Urnas eletrônicas não modernizam uma democracia 


Conformamo-nos com o nosso inconformismo?


Deus nos deu livre arbítrio, mas os comunistas são ateus...


O que mais me choca em alguns acontecimentos é que não nos chocamos mais.


Deus é Bom - mas não é bonzinho.


Existem dois tipos de leis: as que positivizam o direto natural e as que o negativizam..


O mais coletivo dos valores é a liberdade dos indivíduos - ou a sociedade é livre ou ninguém é livre.


Aonde os idiotas não tem o direito de serem idiotas, os sábios não tem o direito de serem sábios.


Todos nós nada sabemos, mas alguns não sabem disto...


Argumento contra o aborto: conceba-se abortado...


Os céticos são tão convictos em sua dúvida que eu não consigo não duvidar deles.

Melhor andar com um fardo suave pelo caminho estreito do que se arrastar debaixo do peso de um fardo pesado pelo caminho largo.
  
Quanto mais curado sou, mais doente me vejo – pois também estou sendo curado da minha cegueira.

Não é que os fins não justificam os meios – é que os princípios os determinam.

Tá bom, seu Mallarmé, um poema é feito de palavras, mas, o que fazer com elas é que não faço a menor idéia.


Há certas cúpulas religiosas que dizem guardar os segredos de Deus, da vida, do Universo… Mas o único segredo que eles escondem é sua ignorância quanto ao assunto.

O cristianismo não diz que milagres são possíveis – diz que os milagres acontecem.

Eu acredito em Deus  - você queria que eu acreditasse em quem? Em você?

Alguns se justificam dizendo que seus vícios privados geram virtudes públicas, mas Deus, quando olha pr’a Terra,  não vê um justo sequer.

O coração do homem é enganoso – e seu cérebro não sabe disso.

Os cristãos não precisam fazer voto de pobreza – nem de riqueza. 

 O tempo foge da nossa pressa.


Só as crianças crescem.


Deus é bom, não bonzinho.


O amor livre não é amor nem é livre.


Às vezes o costume do risco faz com que temamos o mais seguro.


A mentira tem perna curta mas, tamanho não é documento.


Uma guerra deve demorar o máximo possível para começar e o mínimo possível para terminar.


Os socialistas são os bebês de colo do Estado; os liberais, os seus adolescentes.


Às vezes o medo encoraja.


O meio influencia o homem, que influencia o meio…


Ou negamos a nós mesmos ou negamos a Cristo.


Ser ateu não é não crer que Deus exista; é crer que Deus não exista – questão de fé, portanto.

Universidade Mackenzie: Em defesa da liberdade de expressão religiosa

O Mídia Sem Máscara publica o manifesto em defesa do posicionamento da Universidade Mackenzie em relação ao homossexualismo e aos ataques realizados pelo movimento gayzista contra a liberdade de opinião e expressão religiosa. O manifesto, elaborado por cristãos de várias denominações, foi publicado em mais de mil blogs nesta sexta-feira (19).
A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente "homofóbico" veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo "homofobia", que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus.
Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que "todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre "pecadores" e "não-pecadores". A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: "prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias" (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence "do pecado, da justiça e do juízo" (João 16.8).
Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que "todos são iguais perante a lei", "estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença" e "estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política". Também nos opomos a qualquer força exterior - intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas - que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade.
Manifestamos, portanto, nosso total apoio ao pronunciamento da Igreja Presbiteriana do Brasil publicado no ano de 2007e reproduzido parcialmente, também em 2007, no site da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por seu chanceler, Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. Se ativistas homossexuais pretendem criminalizar a postura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, devem se preparar para confrontar igualmente a Igreja Presbiteriana do Brasil, as igrejas evangélicas de todo o país, a Igreja Católica Apostólica Romana, a Congregação Judaica do Brasil e, em última instância, censurar as próprias Escrituras judaico-cristãs. Indivíduos, grupos religiosos e instituições têm o direito garantido por lei de expressar sua confessionalidade e sua consciência sujeitas à Palavra de Deus. Postamo-nos firmemente para que essa liberdade não nos seja tirada.
Este manifesto é uma criação coletiva com vistas a representar o pensamento cristão brasileiro.Para ampla divulgação.

O que é arte e o que não é....









Domingo passado fui com amigos a um recital de cravo no Centro Cultural, aqui de São Paulo. Evento gratuito, acho lindo, curioso, mágico o som do cravo, nunca tinho visto e ouvido um de perto, o programa me chamou a atenção. Não sou nenhum erudito, mas sou curioso e julgo ter bom gosto. Fui para ouvir Bach e Scarlatti, conheci e Couperin e Villani-Côrtes. Belo, mui belo, achei. Meus amigos concordaram.
Acabo o recital, dei uma volta pelos corredores do CCSP com meus amigos, ver o que tinha exposto por ali: pernas de cachorro sem o corpo, um copo americano com um lírio na parede, vídeos sem sentido, bizarrice atrás de bizarrice. Eu e meus amigos tirávamos sarro daquilo, chamamos o hidrante de obra de arte...
Em uma manhã de domingo me ficou claro o que é arte e o que não é....

O Mito do Fim da História.

teoria do fim da História de Francis Fukuyama é, ao menos em linhas gerais, bem conhecida; a teoria do desejo mimético de Girard, um pouco menos, mas também; vou direto ao assunto.
Não é preciso ir muito fundo pra perceber o caráter expiatório da primeira: o comunismo é o fator de instabilidade do mundo e, ao sacrificá-lo, (re)estabelece-se a ordem. Alguém já deve ter dito isso antes. ( Se souber, me aponte nos comentários.)
Também não dá pra negar o caráter mimético dela, afinal, ela é simplesmente a reação ao inimigo: troque “comunismo” por “capitalismo” na assertiva acima e eis o que está por detrás da ação dos revolucionários.
Menos inegável ainda é o caráter puramente mítico, mentiroso mesmo, da crença no sacrifício expiatório político: a menos que não me avisaram, a Idade de Ouro não chegou nem aqui, nem nos EUA, em Cuba ou na finada URSS. Mas estamos falando de Fukuyama e o que 1989 não deixou claro, 2001 escancarou.
Entretanto, o nipo-americano insiste na sua teoria, que continua atraindo muita gente. Por quê será???