Nota sobre o Ateísmo.

1. Ser ateu não é não crer que Deus exista; é crer que Deus não exista - questão de , portanto.
2. O ateu que "rejeita [descrê] o conceito de teísmo" aceita [crê] o conceito de ateísmo. Quem não tem convicção de que Deus não existe não diz que Deus não existem; como os agnósticos, diz que não sabe se sim ou se não.
São posturas diferentes: o agnóstico questiona a existência (e a inexistência) de Deus sem negá-la(s), pois sua posição está firmada em uma dúvida, em uma pergunta não respondida; o ateu não questiona a existência de Deus - ele a nega com a mesma convicção com que o crente a afirma. Tanto o ateu quanto o crente firmam sua posição não em uma dúvida, mas em uma certeza, uma convicção - uma crença, no fim das contas.
O ateísmo militante de Dawkins e Ritchens é prova disso: quem militaria por uma causa da qual não está convencida? No fim das contas, o ateísmo é a religião dos ateus - e estes podem ser tão fanáticos quanto qualquer religioso.
Quanto à "falta de evidências", eu poderia retrucar dizendo que, onde os ateus não enxergam evidências, os crentes as veem aos quilos. Mas a questão é outra: falta de evidência, assim como a falta de corpo não é prova de inexistência de crime, não é prova da inexistência de Deus nem de nada. É extremamente ingênuo apoiar-se neste argumento - que pode, sim, gerar convicção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário